Maricá/RJ,

Canteiro Literário

Maio de 2008
Canteiro Literário




Nhoque

Há dias quero comer nhoque. Não qualquer um, o meu, feito com pouquíssima farinha, macio, e com um molho sem gordura a não ser a do frango que o acompanha.
Ontem me decidi, descongelei o frango, temperei e guardei na geladeira para ser feito hoje.
Nada pior que limpar e temperar frango! É nojento... A gosma, a pele, o cheiro que entranha na mão acrescido do vinagre...um horror! Mas o que não tem remédio....
Acordei hoje com a disposição de saborear o nhoque planejado ontem cujo frango já se encontrava meio preparado.
Coloquei para cozinhar a batata, que esta enxuta, no ponto, com casca, para acentuar o sabor, enquanto despelava os tomates, descascava alho, cebola, lavava o manjericão – colhido na hora, na horta, viçoso -, um fio de óleo e refoguei o frango para dar base ao molho. Dei a ele a cor dourada que abre o apetite e faz esquecer as vicissitudes causadas até aquele momento, acrescentei um pouco de água e abaixei o fogo. Reservei os ingredientes do molho para acrescentar quando o caldo estivesse grosso e, aí sim, cozinhar até que os ossos se soltassem da carne e a gordura se separasse dos demais ingredientes.
Entretanto a partir daí nada aconteceu de forma linear, pois antes de chegar à cozinha, ajeitei meu quarto, recolhi da sala alguns objetos que os duendes da noite insistem em tirar do lugar, lavei a louça de ontem que dormiu tão arrumada que o mesmo trabalho poderia tê-la deixada lavada!
Para aproveitar o sol dependurei na corda a roupa que dormiu na máquina, troquei a água das cachorras, enchi os potes de ração, dei uma ligeira vassourada na casa, que com a obra se enche de terra, fiz um carinho asséptico nos banheiros, troquei as toalhas de rosto e estendi ao sol as de banho, verifiquei meu e-mail, respondi alguns, outros larguei para responder mais tarde. Ainda na net dei uma olhada nas manchetes dos jornais de hoje, tomei um banho, vesti uma roupa de ficar em casa e fui ao nhoque.
Simples, como um parto normal! Segundo sabedoria do Doutor Helmo, grande pensador que me leva a aplicar a sentença a inúmeras situações do cotidiano.
Neste ponto toca o telefone, é uma amiga a quem não vejo há muito e que o orkut trouxe de volta.
Papo vai, papo vem, e com o telefone grudado entre o ombro e a orelha desligo o fogo do frango, tampo os preparos do molho com um pano, escorro a água da batata, e continuo a conversa até que constato que estou com fome.
Neste momento já estou tentando lhe dizer até logo, até mais, nos falamos amanhã, certo e vou pensando: ainda falta esquentar para amassar as batatas, que a esta altura estão frias, despelar, triturar, dar ponto com farinha e uma gema de ovo, temperar com sal, uma pequena pitada de noz moscada, acrescentar um punhado de queijo ralado, obter uma massa homogênea e passar a fazer rolinhos, picar em pedacinhos, enfarinhar bastante o mármore, aguardar a água ferver e cozinhar aos punhados, aguardar subir, escorrer; isto sem falar do molho, ainda cru!... Logo: refogar, agregar, aguardar o ponto, e só então regar o nhoque, salpicar de queijo ralado e levar rapidamente ao forno!
Com este pensamento desligo o telefone e abro o armário da cozinha em busca de uma vasilha e neste momento vejo um pacote de macarrão instantâneo. Este não só me olha, se oferece me chama.
Delícia dos tempos modernos! As batatas? Ou as entrego a um vencedor, seguindo o conselho de Machado, ou as guardo para amanhã, já semiprontas, para quem sabe um nhoque. O frango? Ah! O frango estava ótimo!


Gilda Delgado – Socióloga, escritora – Maricá/RJ.

0 deixe seu comentário aqui:

Visitantes recentes

Comentários recentes

Notícias

  © Template 'Kilombo Cultural' by Patrícia Custódio

Back to TOP