Maricá/RJ,

ARIANO SUASSUNA – o inventor de João Grilo e Chicó


(Direto da Editoria)

Ariano (Villar) Suassuna nasceu na Cidade da Parahyba (hoje João Pessoa) na capital da Paraíba (Parahyba em ortografia arcaica), num dia de Corpus Christi, 16 de junho de 1927, filho de Cássia Villar e João Suassuna. No ano seguinte, seu pai deixa o governo da Paraíba e a família passa a morar no sertão, na Fazenda Acauhan, onde viveu os primeiros anos de sua vida.


Aos três anos de idade, em 1930, Ariano passou por um dos momentos mais complicados de sua vida com o assassinato de seu pai, João Urbano Pessoa de Vasconcellos Suassuna, no Rio de Janeiro, por motivos políticos, durante a Revolução de 1930, o que obrigou sua mãe, Rita de Cássia Vilar, a levar toda a família a morar na cidade de Taperoá no Cariri paraibano.

Ainda em Taperoá, Ariano teve conhecimento da morte do seu pai, que ocorreu dentro da cadeia, decorrente de eventos que sucederam e estavam ligados à morte de João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque, e, como produto destes acontecimentos, sua família precisou fazer várias peregrinações para diferentes cidades, a fim de fugir das represálias dos grupos políticos opositores ao seu falecido pai.

Em 1942, ainda criança, muda-se para Recife, no vizinho estado de Pernambuco, onde passou a residir definitivamente. Estudou no renomado Colégio Americano Batista e no tradicionalíssimo Ginásio Pernambucano; posteriormente, no Colégio Oswaldo Cruz. Ariano concluiu o curso superior em Direito, na célebre Faculdade de Direito do Recife, e em mais adiante, em Filosofia.

De formação calvinista e posteriormente agnóstico, converteu-se ao catolicismo, o que viria a marcar definitivamente a sua obra.

Na Faculdade de Direito do Recife, conheceu Hermilo Borba Filho, com quem fundou o Teatro do Estudante de Pernambuco. Em 1947, escreveu sua primeira peça, “Uma mulher vestida de Sol”. Em 1948, sua peça “Cantam as harpas de Sião” foi montada pelo Teatro do Estudante de Pernambuco. Seguiram-se “Auto de João da Cruz”, de 1950, que recebeu o Prêmio Martins Pena, o aclamado “Auto da Compadecida”, de 1955, “O Santo e a Porca - O Casamento Suspeitoso”, de 1957, “A Pena e a Lei”, de 1959, “A Farsa da Boa Preguiça”, de 1960, e “A Caseira e a Catarina”, de 1961.

Em 1956, afasta-se da advocacia e se torna professor de Estética da Universidade Federal de Pernambuco, onde se aposentaria em 1994. Em 1976, defende sua tese de livre-docência, intitulada "A Onça castanha e a Ilha Brasil: uma reflexão sobre a cultura brasileira".

Foi o idealizador do Movimento Armorial, que tem como objetivo criar uma arte erudita a partir de elementos da cultura popular do Nordeste Brasileiro. Tal movimento procura orientar para esse fim todas as formas de expressões artísticas: música, dança, literatura, artes plásticas, teatro, cinema, arquitetura, entre outras expressões.

Obras de Ariano Suassuna já foram traduzidas para inglês, francês, espanhol, alemão, holandês, italiano e polonês.

Em 1993, foi eleito para a cadeira 18, da Academia Pernambucana de Letras, cujo patrono é o escritor Afonso Olindense.

Obras selecionadas
• Uma mulher vestida de Sol, (1947);
• Cantam as harpas de Sião ou O desertor de Princesa, (1948);
• Os homens de barro, (1949);
• Auto de João da Cruz, (1950);
• Torturas de um coração, (1951);
• O arco desolado, (1952);
• O castigo da soberba, (1953);
• O Rico Avarento, (1954)
• Auto da Compadecida, (1955);
• O casamento suspeitoso, (1957);
• O santo e a porca, (1957);
• O homem da vaca e o poder da fortuna, (1958);
• A pena e a lei, (1959);
• Farsa da boa preguiça, (1960);
• A Caseira e a Catarina, (1962);
• As conchambranças de Quaderna, (1987);
• Fernando e Isaura, (1956)"inédito ate 1994";

Romance
• A História de amor de Fernando e Isaura, (1956)
• O Romance d'A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta, (1971).
• História d'O Rei Degolado nas caatingas do sertão/Ao sol da Onça Caetana, (1976).

Poesia
• O pasto incendiado, (1945-1970)
• Ode, (1955)
• Sonetos com mote alheio, (1980)
• Sonetos de Albano Cervonegro, (1985)
• Poemas (antologia), (1999)

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ariano_Suassuna

0 deixe seu comentário aqui:

Visitantes recentes

Comentários recentes

Notícias

  © Template 'Kilombo Cultural' by Patrícia Custódio

Back to TOP